Transtorno de ansiedade já afetou mais de 18 milhões de brasileiros, de acordo com a OMS

Transtorno de ansiedade já afetou mais de 18 milhões de brasileiros, de acordo com a OMS

A ansiedade se torna um distúrbio quando os sintomas se tornam crônicos e interferem em nossas vidas diárias e na capacidade de funcionar, diz especialista

SHEILA BAUM

 3 FEV 2020

São 21h, a cidade de São Paulo continua agitada – nunca para, acabo de terminar o meu jantar: optei por uma salada verde com molho de mostarda e mel e um filé de frango; para beber, um suco de limão.

Antes de repousar o meu corpo sob o colchão e a cabeça no travesseiro, como de costume, pego o meu parceiro: o meu livro. E para acompanhar o período de leitura e reflexão, pego uma maça. Lá se vão umas 60 páginas.

Já passam das 23h30, preciso ir dormir. Afinal, amanhã acordo cedo, às 6h. Tenho uma reunião muito importante.

Escovo os meus dentes, coloco o meu pijama e me deito.

O sono se foi. Os pensamentos começam a ficar agitados. Começo achar que algo ruim irá acontecer comigo. Rolo de um lado para o outro. Até tento esquecer os problemas que vêm na cabeça, mas não consigo, e não entendo o porquê.

Acabo de olhar no relógio, faz uma hora que estou deitada, meus olhos teimam em fechar. Meu coração fica acelerado.

TIC-TAC TIC-TAC

Sinto o meu corpo ficando molhado, é suor. Minha boca está seca, também sinto náusea. Quero dormir e não consigo, e já são 3h30 da manhã. Começo a ficar preocupada, e me questiono: ‘Por que não consigo dormir? Por que sempre que tenho algo importante no outro dia fico desse jeito? ’. Nada muda.

Eu escuto ambulâncias passando, pessoas gritando na rua. ‘Preciso dormir! ’, penso sem parar.

Olho uma última vez no relógio, antes de pegar no sono, são 4h42. ‘Que aflição’.

DRIM! DRIM!

Hora de acordar! ‘Mas já? ’ Eu levanto, com muita dificuldade, vou ao banheiro, me olho no espelho, e digo em voz alta: ‘Uau! Estou acabada! ’.

Escolho uma roupa para vestir, tomo café da manhã. – Estou atrapalhada. Pego minha bolsa, e minhas chaves e saio de casa.

São 7h30, estou no metrô a caminho da reunião, e minha ansiedade também.

As primeiras aparições da ansiedade costumam surgir a partir dos 20 anos, que é quando as responsabilidades começam aparecer. Foto: Daniel Reche por Pixabay

Transtorno de ansiedade

A ansiedade, que não é uma doença e sim um transtorno, vem afetando milhares de pessoas em todo o mundo. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgados em março de 2018, o Brasil é o país mais ansioso do mundo. São 18,6 milhões de brasileiros – 9,3% da população – sofrendo algum tipo de transtorno de ansiedade.

As causas mais evidentes desse transtorno estão ligadas à preocupação excessiva com o futuro e o medo de perder controle das situações. Sendo que, as primeiras aparições da ansiedade costumam surgir a partir dos 20 anos, que é quando as responsabilidades começam aparecer. E se estendem até os 60 anos. Depois disso, passam a diminuir.

De acordo com John Grohol, psicólogo e especialista em saúde mental, em divulgação no site Psych Central: “Os transtornos de ansiedade são um conjunto de condições mentais relacionadas que incluem: transtorno de ansiedade generalizada, transtorno do pânico, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), fobia social e fobias simples”.

“A ansiedade se torna um distúrbio quando os sintomas se tornam crônicos e interferem em nossas vidas diárias e na capacidade de funcionar”, fala o psicólogo. E que pessoas que sofrem de ansiedade crônica generalizada relatam os seguintes sintomas:

  • Tensão muscular
  • Fraqueza física
  • Memória insuficiente
  • Mãos suadas
  • Medo
  • Confusão
  • Incapacidade de relaxar
  • Preocupação constante
  • Falta de ar     
  • Palpitações    
  • Dor de estômago
  • Pobre concentração

Além das preocupações e o medo de falhar, há indícios de que o ato de se comparar a outras pessoas, nas redes sociais, também pode gerar ansiedade, já que, na grande maioria das vezes provoca angustia, sentimento de inferioridade e tristeza.

Em umas das pesquisas, publicada em janeiro de 2019, do periódico Jama Psychiatry, diz que: “A prevalência ao longo da vida de transtornos de ansiedade em crianças e adolescentes varia de aproximadamente 15% a 20%. Transtorno de ansiedade generalizada, transtorno de ansiedade social e fobia específica compartilham características clínicas comuns, geralmente ocorrem com transtorno depressivos e tiveram associação negativa com desempenho educacional, vida familiar e atividades de lazer”.

Veja também: Grito de socorro

E agora, o que fazer?

Ao procurar ajuda médica e ter o diagnóstico comprovado como paciente portador de transtorno de ansiedade, é mais que comum que receba um tratamento à base de remédios, mas, além desse caminho, é possível seguir cuidando da sua saúde com tratamentos mais naturais.

Estudos apontam que praticar exercícios físicos pode trazer grandes resultados como a prática da meditação, ou mindfulness, não sendo religiosa. Um deles, feito em Harvard, indicou que a amígdala, uma das estruturas cerebrais envolvidas na reação de luta e fuga, diminuiu em quem pratica mindfulness.

Outro método de complemento para uma vida mais tranquila são os ingredientes encontrados na natureza, ingredientes seguros e sem drogas:

Chá de camomila

Um estudo realizado no Centro Médico da Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia, indicou que pacientes com transtorno de ansiedade generalizada (TAG) que tomaram suplementos a base de camomila por oito semanas tiveram bons resultados em comparação aos que receberam medicamento.

Erva-cidreira

Uma pesquisa da Unidade de Neurociência Cognitiva Humana, Divisão de Psicologia da Universidade de Northumbria, Newcastle, Reino Unido, apontou que, os voluntários saudáveis que tomaram erva-cidreira (600 mg) ficaram mais calmos e com mais atenção que os que tomaram remédio.

Lavanda

A Community Dent Oral Epidemiol fez um estudo sobre os efeitos do aroma da lavanda nos níveis de ansiedade dos pacientes dentários gregos, e detectaram que eles ficavam menos ansiosos quando a sala de espera estava perfumada com óleo de lavanda.

Estamos vivendo tempos de agitação, pressão e muita cobrança. É preciso ficar atento aos detalhes e o mais importante, é necessário procurar ajuda médica. Não deixe que a ansiedade tire suas noites de sono.

E-Mail: ContatoJornalConatus@gmail.com

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

CARNAVAL: os quatro dias em que somos todos iguais

seg fev 10 , 2020
CARNAVAL: os quatros dias em que somos todos iguais Por Sheila Baum 10 FEV 2020 Facebook Instagram Youtube Estamos no barracão, área coberta em que são realizadas as alegorias: enfeites preparados para serem utilizados, seja nos carros ou nas mãos dos participantes do desfile, e fantasias. Muitas delas. – São […]

Você pode gostar também

Reportagem Especial

%d blogueiros gostam disto: