Ruth de Souza tem sua trajetória artística registrada em livro

Ruth de Souza tem sua trajetória artística registrada em livro

Livro conta com depoimentos de várias personalidades, desde atrizes globais até jornalistas e escritores

SHEILA BAUM

27 JAN 2020

Ruth de Souza e Ygor Kassab, na casa da atriz, no dia 30 de junho de 2019, um mês antes do seu falecimento. Foto: Acervo Pessoal.

Do carinho e da admiração, há mais de um ano, surgiu a vontade do jovem poeta e jornalista Ygor Kassab, 22 anos, de escrever o livro: “Ruth de Souza: A menina dos vaga-lumes”. Obra que, a atriz brasileira acompanhou de perto, até o seu falecimento.

Ruth Pinto de Souza, a primeira atriz negra a encenar no Theatro Municipal do Rio de Janeiro – na noite de 8 de maio de 1945, que infelizmente faleceu aos 98 anos, no dia 28 de julho de 2019, por conta de complicações de um quadro de pneumonia, teve participação em grande parte do livro – conclusão que ocorreu alguns meses depois da sua partida. Foram relatos e relatos. Muitos conselhos, aprovações e indicações de amigos, e parceiros de trabalho, a Ygor, amigo e escritor da atriz. Um livro feito para ela com “pinceladas” dela.

“Foi muito difícil o momento da perda, pois eu queria que ela visse o meu livro. Queria que ela soubesse de tudo o que eu fiz. Entretanto, ela conseguiu ver muita coisa, pois eu consegui ir na casa dela um mês antes dela falecer. Levei alguns capítulos. Nós também nos falávamos muito por telefone. Quando eu tinha dúvidas, eu ligava e perguntava. Era quase que instantânea essa troca”, fala Ygor.

Ygor Kassab, morando em São Paulo e Ruth de Souza, no Rio de Janeiro. A distância nunca foi um problema. As idas do escritor à antiga capital do Brasil para visitá-la e entrevistá-la foram muitas. Era tanto carinho que, no quarto, ao lado da cama, Ruth mantinha um porta-retratos deles juntos.

“O que me impulsionou a escrever sobre a história da Ruth, foi a grande paixão que eu sinto por ela, pela força que ela tinha e a vontade de mostrar a riqueza de ser humano que ela foi, principalmente aos jovens. Porque, ainda nos anos 40, com resquícios da escravatura e com muito preconceito, ela lutou para realizar o seu sonho, que era ser atriz. Falavam para ela: ‘Como você quer ser atriz, se não existem atrizes negras?’. É uma força muito grande, ela mostra que é possível você ir atrás do que faz o seu coração bater mais forte”, diz o escritor.

RUTH DE SOUZA: A MENINA DOS VAGA-LUMES

O livro conta a história de uma mulher que, por ser negra e pobre, enfrentou diversos desafios na sociedade para conseguir fazer o que mais gostava: arte.

Entre alguns dos personagens que compõem o livro, estão as atrizes Renata Sorrah, Nicette Bruno, Eva Wilma; o diretor do Museu Afro Brasil Emanoel Araújo e o jornalista Luiz Carlos Lisboa. “Cada depoimento no livro foi essencial. Sempre lembrando, a elegância, a postura, a mulher, o humano, a grande atriz.”

De acordo com o autor, o livro é baseado na evolução e visão crítica brasileira sobre a carreira da atriz, tendo como base documental os mais diversos periódicos dos anos 40, 50, 60 e 70, que foram: A Cena Muda, Cinelândia, revista Manchete,  Jornal do Brasil, Jornal da Manhã, TV Intervalo, O Cruzeiro e Radiolândia.

“Há muitos aspectos históricos no livro. Porque eu acho que, situar o leitor sobre o que estava acontecendo naquele momento, é muito importante. O Brasil passou por muitas mudanças, algumas bem complicadas, como a ditadura. Eu entrelaço o desenvolvimento do cinema, do teatro e da televisão com questões políticas”, conta Ygor.

“Ela mostrou que ser mulher, ser negra, ser pobre, são características que não impedem ninguém de fazer aquilo o que quer”.

Com a partida da Ruth, pensou em desistir de terminar o livro?

APAIXONADO POR HISTÓRIA

Com apenas dez anos, Ygor já sentiu a arte lhe tocar, mesmo não compreendendo exatamente o que estava acontecendo. Entre a escola e as brincadeiras, o futuro escritor já fazia grandes pesquisas, principalmente sobre os artistas pioneiros dos teatros do Brasil. Aos 15 anos, passou a frequentar inúmeros teatros, e, com o passar do tempo, suas buscas por mais conhecimento só aumentou. A cada folhetim e revistas antigas lidas, um mundo novo se abria. Hoje, o jovem possui alguns livros lançados, os últimos foram (ambos de poesia): o “As Linhas da Alma”, em 2018, e o “O Aroma Intenso das Pétalas”, em 2019.

Com o livro sobre a trajetória artística da Ruth de Souza totalmente acabado, o escritor está à procura de uma editora que se interesse em publicar a obra. Lembrando que nesse ano, 2020, a atriz completaria 75 anos de carreira, e em 2021, comemoraria 100 anos. “Gostaria muito de fazer uma homenagem ao centenário dela, e mostrar a importância que ela tem. E lançá-lo no final desse ano ou no começo do ano de 2021, seria muito especial para mim.”

Homenagem de Ygor para D. Ruth –como gosta de se referir o próprio escritor quando fala sobre a atriz:

Ainda há o preconceito racial, de gênero e de classes, é preciso que haja mais consciência sobre essas questões. E ler, se informar, é o melhor caminho para que haja mudanças de comportamento.

E-Mail: ContatoJornalConatus@gmail.com

Next Post

Transtorno de ansiedade já afetou mais de 18 milhões de brasileiros, de acordo com a OMS

seg fev 3 , 2020
Transtorno de ansiedade já afetou mais de 18 milhões de brasileiros, de acordo com a OMS A ansiedade se torna um distúrbio quando os sintomas se tornam crônicos e interferem em nossas vidas diárias e na capacidade de funcionar, diz especialista Facebook Instagram Youtube SHEILA BAUM  3 FEV 2020 São […]

Reportagem Especial

%d blogueiros gostam disto: